Descubra como funciona os Honorários Advocatícios

honorários

Uma parte muito importante em uma ação judicial é saber sobre os honorários advocatícios. Vale para um processo trabalhista, uma disputa judicial contra um órgão público ou até mesmo quando você realiza a cessão de crédito.

É primordial ter em mente quanto vai gastar com honorários, pois a parte do advogado deve ser preservada para que você conquiste o que tem direito.

A advocacia é uma profissão que, como todas as outras, exige ser paga.  O trabalho exercido pelo advogado, vai muito além do processo em si, envolve atendimentos, consultoria, assessoramento, pesquisa, estudo…mas as diferentes possibilidades desse pagamento, chamado de honorário, pode ser uma novidade para quem não está acostumado a contratar serviços advocatícios. 

Para que a remuneração seja feita da maneira adequada, existe o amparo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que disponibiliza os valores mínimos a serem cobrados pelos honorários. A tabela disponibilizada para profissionais que atuam em São Paulo, pode ser consultada clicando aqui.

Como é feita a cobrança de honorários

Os advogados prestam uma assistência jurídica e, portanto, precisam receber por seu trabalho. Mas isso não pode ferir os direitos dos clientes e existe um limite a ser respeitado. Para delimitá-lo, originalmente existem três tipos de honorários e eles constam no Estatuto da Advocacia, são eles: 

  • Convencionais ou contratuais

Como o nome já diz, esses são os mais usuais, geralmente acordados entre o advogado e cliente e previsto em contrato. Nele está determinado como serão pagos os valores devidos pelo serviço. Independentemente do ganho da causa, o advogado deve receber o valor acordado.

No contrato é estabelecido como será o modo de pagamento:

  • De uma única vez, no início do processo;
  • Mensalmente;
  • No fim do processo;
  • Ou combinado visando uma mescla das opções mencionadas acima.
  • Sucumbenciais

Aqui, a responsabilidade pelo pagamento é de quem vence a ação. Assim, se evita que aquele que perdeu pague e isso também desencoraja os espertinhos que buscam processar a todo custo, desnecessariamente.

Mas isso não impede que o advogado receba quaisquer outros tipos de honorários. Caso ele tenha a previsão do juiz de fixar um valor dos honorários de sucumbência, é possível receber honorários convencionais. Existe um percentual estipulado pelo juiz na sentença, que varia cerca de 10 a 20% do valor da condenação final ou da indenização conquistada. Caso ambas as partes percam, os honorários são distribuídos proporcionalmente.

  • Arbitrados judicialmente

Quando os honorários não estão previstos em contrato ou quando o acordo é apenas verbal, temos os honorários arbitrados. Aqui o juiz determina um valor justo para o profissional receber, sempre considerando a ação na justiça.

  • Assistenciais

Em 2018, foi introduzida uma lei que prevê também honorários assistenciais. São pagos a um profissional contratado por uma entidade sindical ao trabalhador que não pode custear os gastos.

Existe um limite máximo para a cobrança de honorários

Como existem tabelas de precificação e um amparo da OAB, nenhum advogado pode cobrar honorários abaixo do limite estipulado, para não prejudicar outros profissionais. O Código de Ética e Disciplina da OAB determina que um advogado que cobra abaixo da tabela está agindo de forma antiética apenas com o intuito de captar clientes.

De qualquer forma, o valor dos honorários não pode ultrapassar o determinado pela sentença. Levando em conta os honorários contratuais e sucumbenciais, o profissional deve ganhar, no máximo, 50% do valor da ação que foi definido pelo juiz na sentença. O resto, claro, pertence ao cliente. 

Dessa forma, o juiz é conhecedor dos honorários sucumbenciais, mas advogado e cliente são responsáveis pelo que é acordado em contrato. Portanto, muita atenção!

No caso da cessão de crédito, seja de precatórios ou ação trabalhista,  quem compra o crédito assume o pagamento dos honorários. O advogado opta pela venda dos honorários e recebe à vista. Leia sobre o papel do advogado na antecipação de recebíveis.

Caso você tenha um processo trabalhista ou precatório, conheça nossa cessão de crédito judicial e descubra como ela funciona. Aqui você tem uma alternativa, faça um Bomtrato.

2 respostas

  1. Tenho uma dúvida. Se eu, tenho 2 advogados que não são mais do processo e eles assinaram contratos (cada um de 10% para o final do processo) ou seja, são contratuais. Ao vender um processo, eu, tenho que pagar a eles ? Ou a parte que compra o processo pagará ao final dele ? E a minha atual advogada?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-nos nas Redes Sociais

Categorias

Posts Recentes

Cadastre-se em nossa newsletter.