Saiba porque você pode confiar na Bomtrato!

A Bomtrato é uma empresa segura e tem credibilidade?

É normal que esse tipo de dúvida surja mesmo e é ainda mais importante ter por perto profissionais e empresas que prezam pela segurança e transparência em todas as suas ações.

Nós da Bomtrato valorizamos ao máximo a segurança em todas as etapas durante todo o procedimento, pois acreditamos que uma das coisas mais valiosas do mundo é uma informação clara e verdadeira.

Fundada em 2019, a Bomtrato é uma empresa que tem a seguinte missão: ser uma alternativa ágil e segura de antecipação de créditos judiciais para pessoas que não aguentam mais a morosidade da justiça.

Hoje, a empresa já tem  (veja nossa company page no linkedin),  em sua maioria, equipes especializadas em cessão de crédito, mostrando o crescimento rápido que tiveram nos últimos 2 anos além de ter como sócio majoritário um dos fundos de investimentos de maior credibilidade da América Latina.

Com isso pode-se afirmar que a Bomtrato é a empresa de maior credibilidade no que se refere a antecipação de créditos judiciais.

Mas o que é a “cessão de crédito” que vocês tanto falam?

Caso ainda esteja em dúvidas sobre o que é a cessão de crédito, é importante lembrar que estamos falando da transferência de titularidade para o recebimento de valores monetários resultantes de processos judiciais.

Com a transferência, os riscos do processo deixam de ser responsabilidade do cedente ou credor (você ou pessoa interessada) e passam a ser acompanhadas por quem comprou os créditos em questão (cessionária). Do outro lado, a empresa que deve o dinheiro, será identificada como devedor (cedido).

A escolha por optar por esse recurso é direito exclusivo do credor.

É um movimento legal?

A cessão de crédito judicial é um procedimento autorizado pela Justiça, sendo uma prática legal que pode ser utilizada e solicitada pelo dono do processo ou sugerido também por seu advogado. Esse movimento é previsto nos artigos 286 a 298 do Código Civil brasileiro.

E isso realmente acaba sendo uma escolha sua, como dono(a) do processo, pois tanto o Órgão Público (neste caso processos de precatório) como a empresa processada, não podem interferir se for o caminho por você escolhido.

Ou seja, você como credor tem garantido, por lei, o direito de antecipar o recebimento de seus créditos e buscar os meios legais para isso.

Cessão de crédito na prática

João está com um processo trabalhista em andamento, porém não pode esperar por mais tempo e precisa do valor desse processo (crédito) o quanto antes, dado que tende a demorar mais do que João está disposto ou pode esperar.

Ele, então, resolve vender esse crédito para um terceiro, e conhece a Bomtrato. Isso mesmo, uma venda! Ambos negociam o valor mais justo possível e, então, a Bomtrato compra o direito no processo do João.

O que acontece com o João agora? João recebe o dinheiro da venda do seu crédito, que havia negociado com a Bomtrato, e está livre de toda a burocracia e responsabilidade do seu, agora, antigo processo.

O que acontece com a Bomtrato? A empresa se torna dona desse crédito (que era de João) e arcará com toda a responsabilidade, tempo, risco e burocracia que esse processo trabalhista pode levar, até que ele seja solucionado por completo.

Ah, e o que acontece com o advogado(a) do João? O profissional recebe os honorários antecipadamente, ou seja, também não ficará preso ao processo corrente.

Doutor, temos um artigo que pode te ajudar nessa questão: advogados podem fazer cessão de crédito judicial?

Para quem é indicada a cessão de crédito

Primeiramente, o básico, a cessão de crédito é recomendada para credores em um processo em aberto, ou seja, o reclamante já deve ter sido considerado como credor para fins de indenização.

Ainda que seja um processo totalmente legal e regulamentado, a cessão de crédito é mais indicada para alguns cenários envolvendo partes específicas.

Essencialmente, a prática é recomendada para facilitar:

  • Dívidas privadas;
  • Ações contra o Governo – onde é possível vender o precatório; e 
  • Processos de causas trabalhistas.

No caso dos processos trabalhistas, em especial, existem vantagens e uma demanda crescente:

Segundo relatório de movimentação processual do TST, janeiro de 2020 representou um aumento de mais de 19% nas aberturas de processos trabalhistas em comparação ao período homólogo.

E nós entendemos como pode ser frustrante para um profissional ter que lidar com a demora para receber créditos indenizatórios em situações em que talvez ele nem mesmo possa ter outra fonte de renda durante o desenrolar do processo.

Quando não é recomendada a cessão de crédito com a Bomtrato

A cessão de crédito deve ser feita por empresas e equipes especializadas no assunto, pois sem as habilidades e experiência necessária para tal, é bem provável que processos desnecessários ainda mantenham o ato complexo ou até mesmo falhe em algum momento.

No caso de você ter lido o bastante sobre o tema para acreditar que seu caso possa se beneficiar de uma ação como essas, o primeiro passo é contar com esse diagnóstico profissional.

Em um cenário ideal, após análise favorável, o credor deve ser auxiliado por um advogado de confiança para explicar todo o processo e assim executar a cessão de crédito para uma empresa especializada no assunto, como é o caso da Bomtrato. Apesar disso, note que o auxílio particular não é mandatório nesse mesmo cenário.

Se antes mesmo de entender o seu problema ou sentir confiança no profissional contratado houver algum tipo de cobrança financeira, não tenha medo de desconfiar ou negar a ajuda das pessoas em questão.

Observar o cenário na totalidade é essencial.

Sendo o processo feito com segurança e envolvendo partes qualificadas para que tudo ocorra bem, a cessão de crédito não apresenta riscos consideráveis para nenhuma das partes, pelo contrário, facilita todo o fluxo da ação.

Você pode confiar na Bomtrato

Agora que você já conhece a cessão de crédito como recurso para facilitar o recebimento de ações judiciais e alguns outros casos específicos, resta a reflexão sobre a real necessidade de aguardar longos períodos para receber um direito como credor.

Se você se encaixa nas condições apontadas no artigo, confira nossos 3 passos simples para dar entrada no serviço e não deixe de contar com Bomtrato para tirar dúvidas e te acompanhar na jornada da desburocratização.

Converse com um de nossos especialistas e faça um Bomtrato!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *